<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

27.2.07

Os corpos invisíveis

Já o disse e reafirmo: o activismo selectivo alimenta-se da hipocrisia. Uma penumbra criteriosa ensombra o olhar de alguns que só palpitam quando sentem no mal o dedo americano [e o seu avatar mindinho, israelita]. Para esses, existem os corpos de iraquianos, palestinianos ou libaneses. Um corpo no Darfur - ou no Laos - é invisível, a carnificina improvável e pouco noticiada. Mesmo agora, enquanto escrevo, os corpos intangíveis de mulheres e homens, velhos e crianças, não podem, senão nas boas intenções de alguns, dar a conhecer a rasura nas aldeias de refugiados do Chade. O Darfur expande-se [mas isto é apenas a minha imaginação que me faz ver o que não existe].

Etiquetas: ,