<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

13.1.07

Exemplae

No destacável Y de ontem pode contemplar-se mais um exemplo perspícuo de "nepotismo nacionalista" por parte dos críticos de cinema do jornal Público. Jorge Mourinha, Luís Miguel Oliveira, Mário J. Torres e Vasco Câmara atribuem, com a maior displicência, exactamente a mesma pontuação a 20,13, de Joaquim Leitão, e ao filme de Clint Eastwood "As bandeiras dos nossos pais". Mas que merda de crítica é esta [desculpem-me o calão]? Como é que se comparam e igualizam [em termos de qualidade artística] estes dois filmes: um, o de Clint, uma das obras maiores numa obra a todos os níveis notável; e o outro, o de Leitão, que, para além dessa notável caracterítica de ser falado na língua de Cavaco, nos confirma o talento do Angélico dos D'Zert? Indubitavelmente, a crítica é sensível ao país de origem dos filmes. Se é português, é bom. Se é americano, bem... Depende, não é? Porcaria de crítica em que o que interessa realmente é a palmadinha nas costas do amigo, os jantares na ante-estreia e a troca de favores.
Mas - e eis uma hipótese que não é de todo improvável - pode ser que eu esteja redondamente enganado e 20,13 é, de facto, tão bom como "As bandeiras dos nossos pais" e melhor que "Babel" de Iñarritu. Finalmente, vamos ter um filme português oscarizado e de palma de ouro a adornar-lhe os cornos.