<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

5.1.07

De Saddam a Michel

Em catadupa começam a chegar a mim, via email, as imagens da execução de Saddam Hussein. A inequívoca repulsa moral em relação à pena de morte, sem mas [como dizia José Pacheco Pereira, que, pelos vistos, agora se retratou], não me abriu caminhos a qualquer visionamento do filminho gore obtido por telemóvel. Imaginava, até agora, a execução capital como um duplo descaminho de supressão da dor e anulação do espectáculo. Foucault, obviamente, foi o culpado por esta minha visão inocente da modernidade:
"[...] o corpo do supliciado é escamoteado; exclui-se do castigo a encenação da dor. Penetramos na época da sobriedade punitiva." [Vigiar e Punir, pág. 16]
Palavras prisioneiras do tempo e do regresso da história, agrilhoadas a um topos estacionário [o livro] mas rodeadas por um contexto fluído, poroso, retornário*. Michel Foucault, em Vigiar e Punir, descrevia, indubiamente, uma modernidade diferente da nossa.
* Parece-me bem, o neologismo :-)