<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

4.12.06

Comedores de alfaces

Não tenho paciência para uma boa porção dos indivíduos normalmente conhecidos como "vegetarianos" [ele há-os ovolacto-não-sei-quê, veganos, frugívoros (!), and so on]. Reformulo: não tenho paciência para a retórica jesuítica e moralista desses vegetarianos que não perdem uma ocasião [normalmente um jantar ou almoço] para nos venderem a sua superior ética de nutrição. Parece que os estou a ver, no alto de um pedestal, quase a tocar a mão de Deus, a pregar as virtudes sacras de uma simples opção nutritiva. Que é chato matar os animaizinhos, que é melhor para o estômago, que o ambiente assim não dá o badagaio, que os omnívoros são uns brutos, que eles [os vêgês] é que que são bons, etc. No passado eu ainda rebatia como podia [muitas vezes apelando a manifestas desonestidades intelectuais, para não lhes chamar outra coisa] o chorrilho de factos, números e projecções que me ia sendo apresentado. Agora calo-me, deixo-os falar, e pergunto-lhes se sabiam que Adolf Hitler [mas também Ovídio...] era um vegetariano fervoroso. E calo-me outra vez, que não se deve mastigar carne e falar ao mesmo tempo.
p.s. Nada me move contra o vegetarianismo. Cada um come aquilo que quer: uma alface, um Mac ou um balde de merda. É-me indiferente.