<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

3.12.06

O problema do sorriso

O desmoronamento súbito do sorriso. O que aconteceu? A questão suspensa, infinita. Nenhum cientista, filósofo ou teólogo compreendeu as razões de tão inusitado acidente. Todas as investigações realizadas a posteriori não conseguiram ir além do momento observado, o momento em que o sorriso caíu, estrépito silencioso. Alguém adiantou - com pouca convicção, diga-se - que poderá ter sido alguma coisa que ela lhe disse. Ou que ela lhe recusou o coito. Ou que preferiu a novela ao futebol. Tudo isto, e muito mais, foi dito e suposto, mas nada, mesmo nada, foi provado empiricamente.
O mistério consome os derradeiros minutos dos meus dias. Nunca desistirei voluntariamente da verdade.