<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

3.3.05

A inflexível erosão: o tempo

Num final de tarde aziago, Gaia, mãe-terra verdadeiramente inconsciente e de pouca erudição parental, ofereceu uma foice a Crono [o “Tempo”], o seu filho benjamim. Este, filho desvelado, cortou os genitais ao seu pai, Urano, e tomou o seu lugar como rei do Olimpo. Crono decidiu ainda cear os seus filhos e de uma assentada despachou Héstia, Posídon, Hades, Hera e Deméter. Zeus, o terceiro descendente do Tempo, foi salvo, em boa hora [para ele, claro], pela mãe, Reia. Um dia, feito homem de barba rija, disfarçou-se de criado de mesa e com a ajuda de Hades e Posídon matou Crono com um raio.

Esperem um momento. Parou. Zeus matou, eliminou, aniquilou o Tempo?! Estamos em sintonia, meu?! Mas quem despachou quem? Alguém comemora essa vitória de Zeus? Alguém se rala com o seu relâmpago? Zeus já era, o Tempo é eterno. Um dia acordas e só tens o vazio à tua frente. Mas o Tempo, esse, vai continuar a passar por cima de todos.