<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

19.1.05

Zakât?

Sinais, a crónica de rádio de Fernando Alves [todas as manhãs, antes das nove, na TSF] derriba, não raras vezes, a infalibilidade medrosa que acorda comigo pela alba. De manhã a fragilidade do corpo é contrapesada pelas certezas insensíveis do espírito. Os fundamentalismos inquinam o entendimento, sobretudo, pela manhã.

Fernando Alves, hoje, entretecia mais uns Sinais falando das petrodinastias, da Arábia Saudita ao Dubai, da sua propensão natural para o financiamento da Gihâd, da sua hipocrisia na interpretação alcorânica. A Gihâd constitui um dos cinco pilares do Islão, assim como a esmola. Quando os jornais alardeiam os mortos na Indonésia, duzentos mil mortos, penso na contribuição das petrodinastias para minorar o sofrimento dos seus irmãos indonésios: um quinto do que foi oblatado pela Noruega, lembra Alves. Zakât? A Gihâd é mais importante.