<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

24.5.04

Ridiculous thoughts – Linguagem entre os animais


Kanzi falando consigo mesmo

Infelizmente, uma boa porção dos cientistas sociais rejeita, implícita ou explicitamente, a evolução do homem nos moldes observados em todas as outras espécies, erigindo reiteradamente um Rubicão que separa o humano do não humano, nós do Outro animal: esse Rubicão coincide usualmente com a impetração de um sistema de linguagem. Os prosélitos da particularidade humana postularam um algar inultrapassável entre as capacidades mentais dos humanos e dos grandes símios [chimpanzés, bonobos, orangotangos e gorilas]. Os critérios de distinção centraram-se, inicialmente, no uso de instrumentos e, mais tarde, nas capacidades cognitivas e linguagem, os últimos baluartes das potenciais diferenças de natureza. Mas, podem mesmo os grandes símios usar a linguagem, apesar de não a adquirirem na natureza? Esta cogitação fascinante foi ideada no início dos anos 20 do século passado por Yerkes, que estava bem ciente das diferenças cognitivas entre os hominóides e o resto dos primatas. Yerkes sugeriu que, como os chimpanzés pareciam incapazes de emitir um espectro considerável de sons de forma a utilizarem linguagem verbal, o melhor método de pesquisa seria a utilização de linguagem através de signos. Os estudos realizados desde os anos 60 do século passado, pelo casal Garden, com o chimpanzé Washoe e por outros cientistas mostraram que, em interacção estreita com os humanos, os orangotangos, chimpanzés, bonobos e gorilas [Kanzi, Sherman, Loulis, Lana, Moja, Tatu, Dar ou Austin, entre tantos outros] podem aprender a usar sinais visuais ou sons vocais com o intuito de estabelecerem uma comunicação simbólica. O homem por vezes não se reconhece no espelho.

[Mais sobre a origem da linguagem aqui]