<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

14.5.04

O antropólogo e Tintim


O antropólogo Miguel Vale de Almeida, numa pequena reflexão em torno das dificuldades que a comunidade russófona da Estónia enfrenta em aceder à cidadania deste novel país da EU, assemelha o cultivo da língua, do folclore e das "tradições" pelos estónios aos nacionalismos de um pequeno país como a Sildávia de Tintim. Embora concorde com o fulcro do texto de MVA, não me delongo sobre as suas considerações (de MVA), mas sobre o episódio de Tintim a que se refere, O ceptro de Ottokar. Hergé inicia a história de um modo “normal”, isto é, o jovem repórter do Petit Vingtième realiza um acto sem importância aparente (visita um museu onde roubam uma estatueta, aproxima-se de um avião com defeito que acabou de pousar, etc.) depois, progressivamente, começa a envolver-se em eventos de proporções astronómicas cujo alcance só será compreendido muito depois. O enredo de O ceptro de Ottokar é dissímil, no entanto, porque através dele Hergè ideou uma crítica acre ao expansionismo fascista-nazi. Por exemplo, o nome do chefe da Guarda de Ferro da Bordúria, Müstler, resulta da contracção dos nomes de dois imbecis que um dia aportaram neste planeta: Hitler e Mussolini.