<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

15.12.03

Once upon a time in Utopia

Continua, Maria Barroso, na primeira linha das cenas cívica e política portuguesas. Tal se pode conferir na entrevista que transigiu à Visão, onde analisa de forma lúcida e pragmática alguns dos temas cálidos da actualidade lusa.

Destaco uma asserção que faz a propósito dos portugueses comentarem, cada vez mais, que “estamos a precisar de um pulso forte”. À alusão do jornalista [Fernando Dacosta] que isso é meio caminho andado para a ditadura, a ex-primeira dama responde de forma telegráfica: “Que eles aceitarão com facilidade”. A ditadura.

Desditosamente partilho da mesma opinião que a insigne combatente anti-fascista: ao mesmo tempo que presencio, estupefacto, o ressurgimento de sentimentos totalitários, racistas e etnocêntricos (vide o caso dos ciganos impossibilitados de estudar numa escola de Bragança) nos portugueses, mas, sobretudo, em alguns membros do governo da nação [Olá senhor ministro da Defesa!, vamos queimar a Constituição Comunista?], verifico que tudo isso não passa de um mero reflexo do desespero, do vazio criado pelo insucesso, pela impotência em lidar com problema como o desemprego, a pedofilia, a corrupção e o favorecimento dos poderosos.

A evanescente utopia da Revolução dos Cravos pretende-se substituída por uma ideologia neo-liberal, desumanizante e de cariz totalitário, tão ao gosto de alguns membros do Governo e designadamente do ministro cujo nome é impronunciável neste blogue. Esse mesmo, outra vez o da Defesa.