<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

20.9.07

Passeio público


Quando a letargia de Agosto foi pulverizada por um grupo de activistas que, em Silves, destruiu um hectare de milho transgénico, um país sonolento e alheado despertou, mesmo que pelas razões erradas, para a problemática questão dos organismos geneticamente modificados (OGM). A deplorável acção do auto-denominado grupo ecologista “Verde Eufémia” (nem sequer vale a pena perder tempo glosando a apropriação indevida do nome de Catarina Eufémia por “ambientalistas” radicais e um pouco idiotas), inédita em Portugal, entronca na ânsia de espectáculo das sociedades subjugadas pela hiper-mediatização do real.

A estética alternativa, a violência folclórica, o desrespeito pela propriedade privada e a moral ecológica de cariz jesuítico deste tipo de organizações são, pois, boas razões para se escrever uma crónica mas interessa-me sobretudo reflectir sobre o que fomentou o protesto: a proliferação dos OGM, numa altura em que, lendo um jornal regional (Diário de Coimbra), fico a saber, não sem uma pontinha de assombro, que os férteis campos do Baixo Mondego produzem há muitos anos cereais transgénicos.

As boas (?) notícias: os cereais transgénicos (milho, sobretudo) não são para consumo humano mas destinam-se ao fabrico de rações para animais. As más (?) notícias: possivelmente eu (ou um amável leitor) hei-de comer a carne de um desses animais. Isso será necessariamente mau?
O problema é esse, não sabemos. Apesar de Joel Figueiredo, fundador e dirigente da Associação Nacional de Produtores de Milho, presidente da União de Cooperativas Agrícolas do Centro (Unicentro) e presidente da Cooperativa de Coimbra, considerar que a engenharia alimentar e a engenharia genética são ciências que existem apenas para fomentar o bem-estar da humanidade, não podemos partilhar, sem reservas, o seu optimismo em redor de uma matéria ainda distante de quaisquer consensos científicos.

O admirável mundo novo da engenharia genética transporta o logro da ciência optimista dos sécs. XVIII e XIX: a de que o progresso é imaginável sem que haja consequências perigosas e potencialmente nocivas. Esta tese é, evidentemente, falsa. Quando se abre a caixa de Pandora tem que se ter a noção dos males que serão libertados. É o mínimo exigível quando se faz ciência responsável.

É por isso que quando apresentam os produtos da biotecnologia alimentar sob o prisma do aperfeiçoamento eu desconfio. É certo que as colheitas mais numerosas podem, hipoteticamente, reduzir a fome no mundo. Os OGM garantem, indubitavelmente, uma elevada rentabilidade e produtividade. Mas as culturas modificadas podem, também, transmitir os novos genes às variedades selvagens afins e fomentar a resistência dos insectos aos pesticidas. O engenheiro Joel Figueiredo garante que, no Baixo Mondego, uma parte importante das produções tradicionais de cereais é corrompida pela “polinização cruzada”. A legislação nacional neste domínio deve, pois, recatar-se na dúvida e na prudência, acautelando a libertação de forças que poderão ser incontroláveis.

Etiquetas: