<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

22.12.06

180

É mais difícil quando não és da banda dos Montecchio. A máscara de baile é apenas um rosto sobre outra máscara. É mais difícil, repito, mas não impossível. O olhar demorado supõe a aporia. E as palavras, antes de nós, abraçam-se e aceitam-se. Da vingança, o olvido. Significativo. Já não há dor nem desejo. Um olhar vagaroso, inextinguível, quase ousado. Palavras, a epifania da conivência. O conhecimento de Esparta, os 300 de Termópilas. O signo, a metonímia no derradeiro sorriso. Como se fosse a primeira vez, foi. A obrigatoriedade de esquecer as ruínas por onde te moves. A criação de sentido.