<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

17.12.03

Os mortos-vivos, deuses e bombas

O Nuno Ferreira, do Aba de Heisenberg, discorre proficuamente sobre as “bombas realmente inteligentes”, mortos-vivos que incorporam o poder dos deuses em seus corpos cobertos de explosivos e, com uma eficácia inusual noutro tipo de armas, “conseguem levar o explosivo precisamente até ao ponto de impacto desejado, de uma forma invisível, imprevisível até aos últimos segundos”.

Para explicar o apego dos indivíduos às comunidades imaginadas, de que nos fala Ruth Benedict, sejam elas a pátria, a religião, o clube de futebol ou a etnia, temos que revivescer a questão: porque é que as pessoas estão dispostas a morrer por elas? Neste caso específico, perguntamo-nos porque é que as pessoas estão dispostas a fazer-se explodir em nome de Deus, de Allah.

Inolvidável é o facto que as comunidades imaginadas inspiram amor e, não poucas vezes, amor auto-sacrificial. Como o ideário adstrito à concepção das comunidades imaginadas está eivado de elementos que “naturalizam” a ligação indivíduo-grupo, esta é experienciada como algo intrínseco e não escolhido. Porque esses vínculos não são sentidos como escolha, revestem-se, em larga medida, de um halo de amor desinteressado. Desse modo, a ideia de sacrifício último aparece enquanto ideia de pureza através da fatalidade. Morrer pela fé deriva a sua grandeza do facto de ser um acto sentido como fundamentalmente puro e que é um veículo de salvação e recompensa no paraíso. Se a vida e o corpo são exaltados como valores supremos, a morte é aceite naturalmente como meio de obter o sagrado.